Uma palavrinha apenas

É possível que ninguém vá ler isso aqui, já que, afinal, é um dos motivos de esse post estar sendo publicado. Entendo que alguém vá achar isso muito repetitivo, talvez até nomeiem de "draminha", mas talvez seja mesmo. Indo direto ao ponto, o blog terá seu até então atrasado fim. Pois é, talvez ele volte à vida em apenas dois dias depois, mas é muito chato de minha parte à vocês. Abre, fecha. Abre, fecha. 

O blog ainda continuará aberto, e não há problema em aparece aqui as vezes, para ver se vocês gostariam de um novo projeto (já pensando em voltar novamente, me erra eu!) ou, talvez, apenas um lugarzinho pra se lembrarem do blog, como uma retrospectiva... A ideia não é de toda má, então eu ficaria bem feliz em criá-la com enorme dedicação (enooooooorme). 

Claro que aí está o ponto principal: do que adianta duas pessoas quererem a retrospectiva, utilizando-a como exemplo (mas o mesmo ocorre com o blog)? Eu pessoalmente não gosto disso, e acredito que muitos outros blogueiros também não. O nome disso é falta de reconhecimento. Bom, até aí tudo bem, já que duas pessoas já é alguma coisa. O problema vem a seguir, na próxima pauta do nosso jornal (humor negro, nossa).

Bom, é o seguinte: as duas pessoas pedem a retrospectiva, eu faço. Mas depois, no momento de vê-la, de criticá-la (construtiva ou destrutivamente) não há ninguém, não contando comigo. Então, como devem ter entendido: o que falta aqui é motivação por parte dos leitores. Pois, se eles ainda estivessem aqui, eu provavelmente estaria postando todos os dias e no momento estaria escrevendo uma postagem sobre variada, das favoritas de vocês. 

Mas não há ninguém. 
Minha amiga/irmã (Lívia ♥) disse para mim voltar com o blog. E eu simplesmente fiquei com medo de dizer à ela que eu não poderia porque vocês não estariam aqui, não teria ninguém, fora ela. E então eu pensei em fazer um blog com ela. 

Pois é, mais um projeto que vem à minha mente, mas postar num blog com mais de uma pessoa é melhor, já que uma pode apoiar a outra num momento de crise. E eu só tenho a agradecer à ela.

Agradeço à vocês por tudo o que o BPUA foi, amo vocês.